Pizz Buin – inferno: apareceu em rio tinto – VPF Rock Gallery


pizz buinde 30 de Janeiro [January] a 21 de Março [March]
de Segunda a Sábado [Monday to Saturday] – 14:00h to 19:30h


Rua da Boavista N.º 84, 2.º andar – sala 5
1200-068 – Lisboa
PORTUGAL

CONTACTO [CONTACT]
00351 213 433 259
00351 961 106 590

vpf.rockgallery@gmail.com


press-release – versão portuguesa

press-release – english version



Recensão crítica de Hugo Canoilas em “Infinito ao Espelho”



Na Rock gallery as Pizz Buin apresentam um conjunto de torradas emolduradas. Estas torradas queimadas têm como títulos, títulos de pinturas de carácter religioso.Ouvi falar que, ao mesmo tempo no Espaço Avenida, estão expostas um conjunto de torradas queimadas desta feita com a imagem da Nossa Senhora . A diferença entre ambas as torradas não está no motivo mas na forma.

Enquanto uma das propostas pega literalmente num facto que mereceu a atenção dos media (a aparição da Nossa Senhora numa torrada) a proposta das Pizz Buin desvia-se da mera transferência do quotidiano para a criação de discurso em torno da representação e da representação negativa.
As torradas queimadas são a negação do título. Para ver algo, Cristo descendo a cruz ou A aparição seria de facto necessário acreditar; Aliás estar iludido, querer ver onde nada está.

Esta impossibilidade que as Pizz Buin levantam remete para a obra de Barnett Newman e a impossibilidade de representação que exponenciou nos anos 50. Após o Holocausto, não era possível fazerem-se retratos, pintar naturezas mortas ou belas paisagens. Não era sequer possível acreditar no humano como construtor racional de um mundo melhor a vir.

A obra de Barnett Newman, figura essencial da Arte americana do Pós-Guerra foi, segundo J. François Lyotard, o inventor do tempo Pós-Moderno. Nas suas obras como “The sublime is Now” (traduzido: O Sublime é agora.) temos um campo de côr demarcado ou ampliado por duas linhas verticais (zips). O agora é essa demonstração de um tempo perdido, e a intensificação da experiência o sublime. Neste contexto, J. François Lyotard vê as pinturas como “Eve”, na sua impossibilidade de representação como representação negativa. Esta fórmula ou condição tem repercussões na forma como tomamos o tempo. Um tempo em perda que resgata-nos para um modo ou tempo lento; Que tenta, sem o conseguir, andar para tràs. É nesta forma de desaceleração que eu julgo que alguns artistas conseguem produzir um trabalho verdadeiramente político.

Em”Pintura e representação política” in “O inumano” Lyotard escreve-nos:”Não foi só a fotografia que tornou impossível a profissão de pintar. Dir-se-ia o mesmo dizendo que a obra de Mallarmé ou a de James Joyce rispostam aos progressos do jornalismo. A “impossibilidade” vem do mundo tecno-científico do capitalismo industrial e Pós industrial. Este mundo precisa da fotografia e quase nada da pintura, do mesmo modo que precisa mais do jornalismo do que da literatura. Mas sobretudo ele não é possível senão com a supressão das profissões “nobres”que pertencem a outro mundo, e com a supressão desse mesmo mundo.”

De origem provavelmente diversa (visto serem um grupo de quatro pessoas) as Pizz Buin levantam uma questão verdadeiramente importante para o meio em que nos inserimos mas com a tónica do riso que nos liberta do meio onde vivemos, demasiado pesado, e sempre na expectativa, sem coragem de afirmar o que quer que seja.

Esta exposição consegue colocar todos os espectadores a passar mais algum tempo entre o título e uma mancha negra que aconteceu numa fatia de pão de forma, que também é uma pintura negra, de carácter abstracto e informal.

O teor conceptual desta exposição vem da nomeação de uma obra e do intervalo entre esta e a mancha negra.
A instalação de carácter museológico, sendo o veículo ideal, caí porém no lugar comum da utilização da retórica museológica sem adicionar nada a esta temática (1) antes servindo-se dela, por uma boa causa.


(1) “The museum as muse” foi uma exposição feita em 1999 no MOMA de Nova Iorque que toma como ponto de partida a reflexão sobre o espaço museológico feita pelos artistas: a exposição de Surrealismo comissariada por Duchamp, o quarto do abstraccionismo de Lissitzsky , o Musée des aigles de Marcel Broadthaers, o Brooklin Museum de Joseph Kossuth entre tantos outros.



Infinito ao Espelho



Critical review by Hugo Canoilas in “Infinito ao Espelho”

At the Rock Gallery, the Pizz Buin group present a variety of framed toasts. These burnt toasts are entitled after religious paintings. I’d heard that, at the same time, in the gallery Espaço Avenida, a variety of burnt toasts is shown with the image of the Virgin Mary. The difference between both toasts is not in the motive, but in the form.

Whereas one of the proposals picks up on a case that got media attention (a toast bearing the image of the Virgin Mary), the other, Pizz Buin’s, moves away from the simple imitation of daily life and goes towards speech creation concerning representation and negative representation. The burnt toasts are the title’s denial. To see something as Jesus descending from the cross or the image of the Virgin Mary, it’s necessary to believe. In fact, it’s necessary to be eluded, to want to see something where there is nothing.

This contrariety raised by the Pizz Buin group relates to a work by Barnett Newman and to the impossibility of representation that marked the 1950s. After the Holocaust it was not possible to make portraits, paint dead nature or beautiful landscapes. It wasn’t even possible to believe in the human being as a rational creator of a better world to come.

Barnet Newman, an essential figure in art in the American post-war scenario, was, according to J. François Lyotard, the inventor of the post-modern time. In his essay “The Sublime is Now”, a coloured area is limited or enlarged by two vertical lines (zips). The now is that demonstration of a lost time, and its intensification of the experience is the sublime. In this context, J. François Lyotard sees paintings as “Eve” the impossibility of representation as negative representation. This formula or condition has repercussions in the way we handle time. A time being lost rescues us into a slower mode that tries, without succeeding, to go back in time. I believe that some artists can reproduce truly political work using this form of deceleration.
In the chapter ‘Painting and political representation’ from “The inhuman”, Lyotard wrote: “It is not only photography that made the craft of professional painting ‘impossible’. That would be saying that the work of Mallarmé’ or Joyce was a riposte to the progress of journalism. The ‘impossibility’ comes from the techno-scientific world of industrial and post-industrial capitalism. This world needs photography, but has almost no need for painting, just as it needs journalism more than literature. But above all it is possible only with the retreat of ‘noble’ crafts which belong to another world, and the retreat of that world itself.

With a likely different origin, since it’s a group of four people, Pizz Buin raise a truly important issue concerning where we fit in, but give it a humorous touch which sets us free from where we live, from that heavy circumstance, and from living in expectation, with no courage to affirm ourselves.
This exhibition invites all visitors to spend more time between the title and the black spot in the piece of bread, which is also a black painting, with an abstract and informal character.

The conceptual tone of the exhibition comes from the nominations of the artwork and the interval between it and the black spot. The installation however falls into the cliché of using a museum approach without adding anything to the exhibition’s theme (1), yet making use of it for a good cause.

(1) “The Museum as Muse” was an exhibition done in 1999 at New York’s MOMA which gathered a survey of works that artists had addressed the museum: the surrealist exhibition commissioned by Duchamp, the abstractionism room by Lissitzsky, the Musee d’Art Moderne, Departement des Aigles by Marcel Broodthaers, the Brooklyn Museum by Joseph Kossuth, among many others.


Translated by: Maria José Anjos



comente esta exposição [coment this exhibition]


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s